Quarta-feira, 7 de Junho de 2006

Palavras ao vento

São fascinantes as palavras!

O poder da escrita é imenso, uma simples junção de letras tem a capacidade de despertar em nós tantos sentimentos, por vezes bons, outras nem tanto, mas sempre um sentir…

O dom da escrita, é reservado apenas a alguns, eu atrever-me ia a dizer, que é reservado a muito poucos, no entanto quem o consegue, deleita-nos por completo, a escrita fascina, deleita, viaja, seduz...

As palavras permitem-nos viajar pelo mundo sem sair do sofá, permitem-nos sentir um prazer que nunca foi nosso, chorar com a desgraça de outros, sonhar com o impensável, apaixonarmo-nos por quem nem sequer existe, permitem-nos ruborizar e fazer um sorriso tremendo, porque nos faz bem o que está escrito.

As mais belas palavras, aquelas que vêm da alma, as mais profundas, são de uma grandeza imensa, são de tal forma delicadas que nos fazem ler e reler e sorrir, tamanho é o seu significado.

Saber utilizar as palavras, dar-lhes sabor, contexto, forma, corpo, é talvez dos objectivos mais difíceis de alcançar, porque implica uma sensibilidade tremenda, uma dádiva.

E depois há palavras de majestosamente empregues que nos transmitem uma tal luxúria, sensualidade, que quase tocamos, sentimos, queremos…

Há textos vastíssimos, ricamente trabalhos, sublimemente escritos e que no entanto não dizem nada, não tem simbolismo, não falam, não exprimem, são vazios, frios...

Porque a simbiose entre as palavras e o autor não existiu, porque a autenticidade ficou de lado e o que se quis expor foi só um relato vago, provavelmente as palavras certas estarão lá, mas o tacto para as colocar no devido lugar, o fascínio de poder escrever o que se sente, o que se deseja, o que se quer, o que se viveu, o que há de mais belo, o que revela prazer, o que realmente nos completa, falhou.

                     

E há meras frases, tão simples, tão puras, tão autênticas, humildes, que nos exprimem o que tanto queríamos dizer e não sabíamos como, só porque lá está parte de nós, só porque já o sentimos, ou porque afinal temos o dom de expor o que tantos pensam.

E a coragem de impor os nossos sentires, de ser diferente, de sentir impulsivamente e de ter prazer em sentir o que se escreve e de escrever com um sorriso que nos transporta para onde as palavras no guiam.

Há poemas tão belos, que para nós são meras letras juntas, e depois há textos, tantas vezes sem qualidade literária, que nos fazem tão felizes…

As palavras são intemporais… tal como os sentimentos… ou a alma...

 

Escrito por Marisa às 09:18
Piacere | Grazie
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


veropiacere@sapo.pt

Agosto 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Hummmm...

Sei lá...

Ciao

(...)

Ingenuidade

Viver...

Pretensão

Quando...

Kininha

Renascer…

Hoje não…

Recordar...

Agosto 2010

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Piaceres...