Sexta-feira, 22 de Dezembro de 2006

Na lareira...

Acordava bem cedinho, saltava da cama e ajeitava os cabelos, de pijama e peúgas corria para a cama dos meus pais…

Saltava lá pra cima e sem ter que perguntar nada, diziam-me:

-Vai ver junto da chaminé, eu ouvi-o a descer…

Lá bem no fundo eu sabia que estaria lá o meu presente e se calhar até sabia que aquele senhor gordo de barbas brancas, nunca passaria na chaminé, mas às vezes sabe bem acreditar no que queremos acreditar, o sonho pode continuar sempre...

Dava um beijo terno e apertado a cada um e corria para a cozinha, onde estava de facto um embrulho, ficava ali a olhar só para tentar prolongar o momento, que só voltaria a conhecer no ano que vem e depois pegava nele e corria novamente para a cama dos meus pais que já tinham percebido que não iam conseguir dormir mais.

Arranjavam um espacinho entre eles, onde eu me aninhava a mim e ao meu presente e depois aí abria-o… finalmente…

Normalmente era um jogo, ou um piano, ou algo do género, nunca achei muita piada a bonecas e ficávamos ali toda a manhã a brincar com a minha nova aquisição, a discutir como raio teria o pai natal voltado a subir a chaminé e será que tinha trocado de fato pelo caminho, aquele estaria todo preto…

Esses tempos não voltam mais, mas era esse o verdadeiro espírito natalício, é disso que me lembro sempre que penso no natal…

                  

                           

Hoje em dia, continuo a dormir de pijama e peúgas, aliás acho que fico um charme, continuo a acordar com os cabelos todos desgrenhados e continuo a ser curiosa o suficiente para querer muito ver os presentes, não corro para a cama dos pais (óbvio), mas continua a fascinar-me olhar para a lareira com os presentes alinhados, acho que gosto mais da expectativa de ir abrir os presentes, do que dos presentes propriamente ditos, o que gosto mesmo é da surpresa, de não fazer ideia do que lá está dentro, de saber que alguém se esforçou por me comprar algo que julga eu vou gostar.

Desço as escadas a correr, quero lá saber do meu tamanho e da minha idade, quem desce é a criança que permanece em mim, sem chinelos como sempre (desculpa mãe é mesmo feitio, desiste) e quase sempre já tenho a lareira acabada de acender pela minha mãe que me espera sempre, linda, e os presentes alinhados à sua frente… fico ali a contemplar aquele maravilhoso quadro, tenho a certeza de que por breves minutos não haverá nada de mais maravilhoso, as imagens da infância da outra casa, voltam todas ao presente e naqueles minutos tudo me parece perfeito, nada poderia suplantar aquela felicidade… depois abro-os, abrimos todos e acabou a magia… para o ano haverá mais…

 

Para todos um Natal muito feliz, do tamanho dos vossos sonhos!

Escrito por Marisa às 09:50
Piacere | Grazie
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


veropiacere@sapo.pt

Agosto 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Hummmm...

Sei lá...

Ciao

(...)

Ingenuidade

Viver...

Pretensão

Quando...

Kininha

Renascer…

Hoje não…

Recordar...

Agosto 2010

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Piaceres...