Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2006

A minha BMX

Recordo-me poucas vezes da minha infância… não porque tenha sido particularmente infeliz ou porque me custe fazê-lo, talvez porque não queira perceber que aquele tempo de inocência, felicidade, alegria e pureza, tenham terminado.

Tive uma infância nem sempre feliz ou fácil, mas vivida plenamente, livremente e que teve como único amargo o facto de ter sido bastante curta… terminou rápido demais e passou rapidamente à fase adulta, entre a criança e a mulher passou tudo repentinamente, nunca fui adolescente, passaram-se episódios conturbados e mal experimentados que esses sim, não faço questão de recordar.

Mas a minha infância…

Em dias de chuva ou frio como o de hoje, gosto de me recostar no sofá, envolta num cobertor quentinho e enquanto aperto uma chávena de café fumegante, olho para o nada, de onde me é permitido ver a criança que eu fui… invariavelmente tenho de recordar-me da melhor das memórias, do que ainda me provoca um brilhozinho nos olhos e há-de provocar sempre… a minha BMX amarela!

 

                   

 

Não sei muito bem quando é que o meu pai ma deu, sei que me ensinou a andar nela, incansavelmente, até me tornar uma corredora nata.

Nunca um carro há-de alcançar a velocidade que eu sentia, nunca um avião há-de conseguir voar mais alto que eu em cima da minha bicicleta, nunca nada há-de fazer pular mais o meu coração no peito, nunca nenhuma sensação há-de ser melhor que aquela que eu vivia, quando corria ao som dos Xutos e Pontapés- Casinha… que saudades…

Lembro-me que o meu pai colocava essa música de propósito só pra me ver a correr para a bicicleta, pegar nela e andar à volta de casa como que possuída, ainda hoje essa música tem gosto a criança, para mim, ainda hoje me faz bem ouvi-la.

E as vezes em que chegava a casa com os joelhos sujos, outras tantas vezes rasgados, pelas deliciosas corridas que fazia com os meus amigos, verdadeiros amigos, únicos amigos, nunca meninas.

Quando o meu pai ma deu, eu ainda não chegava ao chão em cima dela, de maneira que lhe ganhei tamanho carinho e dedicação… que já era demasiado pequena, já o guiador me magoava os joelhos e eu recusava-me a encostá-la lá em casa, ainda assim ganhava as metas.

Metade da minha infância está em cima daquela bicicleta, grande parte dos meus sorrisos foram em cima dela, as melhores quedas foram dela e sempre os assumi orgulhosamente. O meu pai dizia que só se sabia andar bem de bicicleta quando se dessem três grandes quedas, obviamente que excedi a estatística largamente e ia contar-lhe orgulhosamente, que não tinha conseguido travar na ribanceira e lá tinha eu ido parar mais uma vez à terra do Ti Manel … que saudades.

Não sei onde pára essa bicicleta, se calhar está no sótão da outra casa, se calhar está em casa dos meus avós… acho que não a quero ver… deve estar tão velhinha, prefiro recordar-me de como era amarela, brilhante, linda… e depois acho que se a visse… ainda me colocava de novo em cima dela, só pra dar mais uma volta…

Escrito por Marisa às 09:26
Piacere | Grazie
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


veropiacere@sapo.pt

Agosto 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Hummmm...

Sei lá...

Ciao

(...)

Ingenuidade

Viver...

Pretensão

Quando...

Kininha

Renascer…

Hoje não…

Recordar...

Agosto 2010

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Piaceres...