Terça-feira, 26 de Setembro de 2006

Visões de Outono -II

Que magnifica visão, encostou-se na ombreira da porta e deteve-se a ver aquele homem de meia-idade, cabelos cuidados, tremendamente sedutor, definitivamente a vida tinha sido generosa para com ele.

O cheiro a café chegou ao quarto e acordou-a com aquele magnifico aroma quente. Vestiu a primeira camisola que encontrou e dirigiu-se à cozinha, ainda com o sorriso com que havia adormecido na noite anterior, ainda com o cheiro dele cravado no corpo e sobretudo na alma…

Vê-lo ali de tronco nu, corpo bonito, pele escura e cheirosa, a preparar um café para eles, era algo tremendamente belo, excitante. O desvelo com que o fazia, a maneira como se movimentava, deixava perceber uma musculatura bem trabalhada, e por dentro daquele corpo um homem bom, generoso, culto, elegante, educado, cuidado, sensual… pensou enquanto o apreciava e percebia o quão feliz era, por tê-lo para si, naquele momento.

Sem que desse por isso, ele já a tinha avistado e como se ambos percebessem simultaneamente que o que se tinha passado, que aquela noite de amor e desejo, não era um sonho, mas luxuriosamente real, sorriram um para o outro, ela inebriada pelo cheiro do café que vinha da chávena que ele segurava, ele fascinado pela beleza que aquela imagem carregava, uma velha camisola de algodão sua a cobrir o corpo daquela mulher, nunca teria dado tanta importância a uma simples e velha camisola…

-Bom dia!

-Bom dia minha querida… dormiste bem? - Disse-lhe ainda incomodado com aquela visão.

-Sim, muito bem… e tu? - Perguntou com um sorriso quase infantil e igualmente sensual nos lábios, enquanto roçava uma perna ao de leve na outra e bocejava sedutoramente.

-Maravilhosamente bem, queres? – Mostrando-lhe a chávena que fumegava nas suas mãos.

Caminhou para ele, em bicos de pés, o que fazia subir a camisola, ligeiramente, deixando antever as ancas, e ele quis, secretamente, que a camisola encolhesse naquele momento… o chão estava gelado aliás como toda casa em si, pegou-lhe na chávena, pousou-a em cima da mesa, olhou para ele, ajeitou uma madeixa de cabelo e beijou-o meigamente nos lábios macios e delicados, sussurrou-lhe ao ouvido…

 

                   

 

-Depois… bebemos depois…

 

Escrito por Marisa às 17:48
Piacere | Grazie
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


veropiacere@sapo.pt

Agosto 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Hummmm...

Sei lá...

Ciao

(...)

Ingenuidade

Viver...

Pretensão

Quando...

Kininha

Renascer…

Hoje não…

Recordar...

Agosto 2010

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Piaceres...