Quarta-feira, 19 de Julho de 2006

Desejos vendados

-Hoje vou surpreender-te, vou contrariar tudo o pensas que controlas, vou enlouquecer-te, sem que tu vejas… só quero ouvir e ver o teu desejo…

-Vais? Isso tudo? Hummmm …

-Vem cá.

-E isso é para…

-O que estás a pensar…

Beijou-me os olhos, vendou-os com um tecido sedutoramente macio, leve, talvez cetim… um leve arrepio, esta incerteza tem tanto de fascinante como de temeroso.

-A partir de agora és só o que o teu desejo ditar, as tuas expressões corporais, a tua respiração, os teus gemidos… entrega-te…

Ajudou-me a deitar, muito lentamente, consertou as minhas vestes, os cabelos, ajustou a venda…

Enquanto me descalçava, beijava os pés, massajava-os, não sei se atirou os sapatos ou simplesmente os pousou, o silêncio, a calma, excitava-me profundamente.

Desabotuou os botões dos meus jeans , enquanto beijava e lambia em redor do umbigo, sem nunca lhe tocar, eu contorcia-me, o que parecia dar-lhe um especial gozo, pois fazia-o com mais intensidade… e segurava as minhas ancas por onde deslizavam os jeans e beijava cada centímetro de pele que ia ficando descoberto, retirou as calças…

Com algo macio mas firme, que nunca saberei o que era, passeou pelas minhas pernas, virilhas, umbigo, a minha respiração adensava-se, eu mordiscava os lábios.

Levantou a minha camisola preta de algodão, que ia subindo à frente da sua língua, disso tenho a certeza, era macia mas molhada e nervosa, ouvi a respiração forte incontida. Levantei os braços, facilitei a retirada da camisola e essa ouvi-a cair no chão, o peso das lantejoulas fê-la cair bruscamente.

Ficámos ali, um tempo que não sei precisar, mas que se por um lado me pareceu infinito dada a exposição em que eu estava, por outro, foi quase instantâneo, tamanho o prazer daquela descoberta.

Fiquei com os seios desnudados, uma brisa suave, ou talvez toda aquela situação, fê-los arrepiarem, arrebitarem, lambeu-os, apertou-os, o meu primeiro gemido… com uma língua gulosa, desceu abaixo do umbigo, colocou um dedo, brincou com o fogo, agarrei os lençóis com toda a força que pude, contive-me.

 

               

 

Tirou o meu string , de uma só vez, como se estivesse a terminar o tempo, como se fosse impossível aquela espera, senti o meu cheiro, sei que o pousou juntinho ao meu rosto, sorri.

Levantou e flectiu as minhas pernas, ouvi ‘espera amor’, esperei, o que me pareceu uma eternidade…

Senti algo de fresco no meu umbigo, o que por ser inesperado me fez soltar um leve gemido... algo redondo pequeno, fresco, talvez uma uva, que rodopiou no meu umbigo, foi até às virilhas e seguiu para onde depois me fez contorcer, morder os lábios, puxar os lençóis pra mim, encarquilhar os dedos dos pés… naquela cama enorme, quis agarrar-me com as minhas mãos, quis sentir o meu prazer, quis sentir-me, sentir o que me descontrolava, sentir que era real… não me foi permitido.

Ainda com as pernas flectidas, a excitação era tremenda, estava totalmente descontrolada, louca, incontida… ‘agora vou comer… em ti’... enlouqueci de vez… hummmm

Escrito por Marisa às 10:07
Piacere | Grazie
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


veropiacere@sapo.pt

Agosto 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Hummmm...

Sei lá...

Ciao

(...)

Ingenuidade

Viver...

Pretensão

Quando...

Kininha

Renascer…

Hoje não…

Recordar...

Agosto 2010

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Piaceres...