Sexta-feira, 21 de Abril de 2006

Masturbação

Eis o centro do corpo
o nosso centro
onde os dedos escorregam devagar
e logo tornam onde nesse
centro
os dedos esfregam - correm
e voltam sem cessar

e então são os meus
já os teus dedos

e são meus dedos
já a tua boca

que vai sorvendo os lábios
dessa boca
que manipulo - conduzo
pensando em tua boca

Ardência funda
planta em movimento
que trepa e fende fundidas
já no tempo
calando o grito nos pulmões da tarde

E todo o corpo
é esse movimento
que trepa e fende fundidas
já no tempo
calando o grito nos pulmões da tarde

E todo o corpo
é esse movimento
em torno
em volta
no centro desses lábios

que a febre toma
engrossa
e vai cedendo a pouco e pouco
nos dedos e na palma.

                                               Maria Tereza Horta


Escrito por Marisa às 14:44
Piacere | Vero? | Grazie
|
16 comentários:
De Ca a 26 de Abril de 2006 às 01:15
Qualidade tem duas vertentes: produzida ou reconhecida. Marisa possuis ambas. Admiro-te ainda mais por isso. Tens qualidade nos textos de tua autoria e os textos que escolhes colocar no teu blog possuem qualidade, portanto, reconheces qualidade noutro(a) autor(a). Muito à frente! Sou tua admiradora. Adorei o poema. Acrecentar ainda, que para mim é fantastico aboradares este tema (relacionado com sexo) que só tem maldade quando lhe colocam. Pode e deve ser um tema como outro qualquer, pois é um assunto importante como tantos outros. Parabens por ser genuina. Ca
De Marisa a 26 de Abril de 2006 às 11:48
Obrigada pelas visitas, gosto dessa... fidelidade...
Sabes que é melhor darmos a conhecer quem sabe fazer bem, do que tentarmos de forma infrutifera chegar lá. Um beijo.
De paulo2006 a 4 de Maio de 2006 às 17:53
Maria Tereza Horta ?
Tem nome de professora de portugues do ensino secundário ou no máximo assistente da faculdade.

Nariz adunco.., favolas.., umas sandálias tipo S Francisco de Assis para dar ar proletário....;

Roupa escura larga.

Essa indumentária é também para afastar os machos que porventura pudessem ter ilusões de que a Tereza fosse presa fácil.

Na poesia ela é tórrica.

Mas depois macho que a visse...., ficava logo no seu lugar- petreficado com a imagem dessa Tereza

É a imagem que faço dessa Tereza Horta.



De Marisa a 4 de Maio de 2006 às 18:09
Pois eu isso desconheço, agrada-me é o poema, agora como ela é, é-me completamente indiferente!
Grata pela visita...
De teresa a 23 de Abril de 2006 às 02:20
VERO PIACERE!!!

De Marisa a 24 de Abril de 2006 às 09:08
Grazie!!! Baci per te.
De ZUCO a 21 de Abril de 2006 às 17:32
Este poema foi feito para ser dito e não lido. Experimentem lê-lo em voz alta e é completamente diferente.

Cadburys
(do que derrete na mão, para ser apropriado ao tema)
De Marisa a 22 de Abril de 2006 às 17:14
Ahahahahaahahaha, esqueça a leitura... mãos à obra.
Para o caso e o Zuco saberá para quê... Maltesers (redondinhos)
De José Vassalo e Silva a 21 de Abril de 2006 às 16:37
Tereza Horta sempre foi uma guerreira, uma lutadora pela liberdade equitativa das mulheres na sociedade portuguesa. Este poema erótico, mas tão social, eleva-nos á realidade fria, nua e crua, da mulher que, ainda está subjugada, aos caprichos do homem. É um belissimo poema de alguem que consegue sempre ser «lindissima». O amor não tem fronteiras ...
De Marisa a 21 de Abril de 2006 às 16:51
Concordo em absoluto caro José, agradeço-lhe a visita e breve exposição sobre a autora.
Espero que lhe tenha agradado e que portanto volte a visitar e deixar a sua opinião. Grazie, baci.
De igara a 21 de Abril de 2006 às 16:36
Amiga Marisa, quase que dá para ficar com falta de ar, porque este poema consegue-se ler de um só folego. Lindo, cadenciado, sensual e de uma beleza que nasce quando se falam de coisas lindas. Um beijo manso.... :)
De Marisa a 21 de Abril de 2006 às 16:49
Que bom que gostaste, acho-o de uma sensualidade única. Baci per te.
De homem de negro a 21 de Abril de 2006 às 16:20
Cara marisa, ler os teus textos, faz-nos crescer mesmo a água na boca, este então, no meu caso, fez-me crescer algo mais...
Escreves muito bem e também recolhes ainda melhor...
Um beijo, a gente vê-se por aí...
De Marisa a 21 de Abril de 2006 às 16:27
Ahahahahahahaahahah, então o poema agradou-lhe... definitivamente. Que bom, obrigada pela visita. Baci per te.
De Vasco__27 a 21 de Abril de 2006 às 16:12
Que post... Novamente surpreendes-me... Continua... Estás a ganhar rapidamente pontos junto da minha pessoa... Mantém essa tua abertura de espírito, com posts destes. Parabéns, Marisa... mais uma vez, diga-se

(Até as fotos... Tudo perfeito...)
Beijos grandes
De Marisa a 21 de Abril de 2006 às 16:26
Que bom continuar a agradar-te, normalmente grandes expectativas podem saír goradas...É sempre um piacere pra mim receber mimos desses... Baci

Vero?

veropiacere@sapo.pt

Agosto 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Hummmm...

Sei lá...

Ciao

(...)

Ingenuidade

Viver...

Pretensão

Quando...

Kininha

Renascer…

Hoje não…

Recordar...

Agosto 2010

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

No Ar...

Piaceres...

Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!

Entre!

pegadas