Segunda-feira, 14 de Agosto de 2006

Rotinas...

Viemos todo o caminho a discutir!

Daquelas discussões horríveis, em que subimos o tom de voz, julgando que nos torna mais credíveis ou fortes.

Acusámo-nos mutuamente, dissemos palavrões, que na realidade eram dispensáveis, mas sabe tremendamente bem pronunciar!

O carro seguia a uma velocidade vertiginosa, eu ajeitava-me no banco… insegura.

Aquela sensação sempre me deu uma adrenalina, perigosamente excitante, nunca lhe pediria para abrandar e naquele caso apenas serviria para que fizesse o oposto…

A verdade é que quando começamos a discutir, normalmente por assuntos irrisórios, mero desentendimento ou divergência de opinião, não conseguimos parar e recuamos no tempo, trazendo todo e qualquer assunto para sairmos vitoriosos daquela batalha.

Nenhum de nós ousa dar razão ao outro, o nosso orgulho só nos permite um faiscar de olhos, tamanha a violência com que nos debatemos.

Há sempre algo a acrescentar, há sempre mais alguma coisa para acusar, não me permito ficar sem argumentos, ainda que tenha a noção de que daquela vez ‘perdi’…

Chegámos a casa!

O comando fez abrir o portão, o carro entrou, devagar…

O portão fecha-se, a luz da garagem não acende…

Desligou o motor do carro.

Ambos olhamos para o vazio, os olhos ainda não se habituaram àquela escuridão, suspiramos em uníssono… uma mão na minha perna…

-Chamaste-me ‘filho da puta’…

-Ora a discussão é entre nós, nada a ver com a família, mas foi o que me ocorreu… de forte…

Silencio novamente…

-És uma cabra e sabes e gostas, deixas-me doido com essa tua personalidade…

-Ahahahahahahaahahhah a sério?

Olhou para mim, passou para o meu lado, baixou o meu banco… rasgou o meu top preto com um ‘sexy’ em letras prateadas …

-Já nos agredimos verbalmente, agora vamos fazê-lo fisicamente…

-Fode-me e cala-te!

Olhou para mim e vi um incontrolável desejo no seu rosto, como se o que eu tinha acabado de dizer o tivesse descontrolado por completo.

Beijou-me avidamente, apertou-me os seios, como eu gosto… e um primeiro gemido…

Nem me importei com a sua nova camisa, eu estava em desigualdade, abri-a nervosamente… lambi-lhe o peito… hummmm, aquele peito ligeiramente peludo, ligeiramente húmido… que loucura.

Levantou as minhas pernas, puxou o meu string azul celeste, de forma desajeitada, aliás como sempre e que eu adoro.

                                

Beijou, lambeu, sugou-me como se o fim da vida fosse daí a segundos, soltei um grito potente e um grande puxão de cabelos…

Empurrei-o contra o pára-brisas… olhar de felina… cara de má, ficou sem jeito, sem perceber se eu ia sair do carro ou continuar ao meu jeito…

Abri-lhe as calças, olhei para ele, continuava inquieto, apoderei-me dele, tomei-o todo pra mim, pude ouvi-lo gemer bem baixinho, como se me quisesse esconder o maravilhoso prazer que estava a sentir, parei, voltei a olhar para ele, sorri… não desisti… e ele não aguentou…

Caiu em cima de mim, caímos em nós, transpirados, felizes, cansados…

O meu mundo estava dentro daquele carro…

-Vamos tomar banho doido?

-Ganhaste… mas eu amo-te, sabias?

Escrito por Marisa às 09:37
Piacere | Vero? | Grazie
|
14 comentários:
De Ca a 5 de Setembro de 2006 às 11:25
Ziza está emocionante e interessante e giro e tal, mas com o meu feitio não combina!!!

Gostei imenso e respeito que seja excitante para muitos da nossa espécie!!

Mas eu sou incorrigivelmente lamechas e doce, muita doçura, só assim!!

Não curto cenas dessas!!

Tiram-me a pica toda!!

Mas é bem! Está bem conseguido..

Pessoalmente adoraria, mas numa versão melosa!!

Gosto de ser surpreendida, pelo que considero, pela positiva!!

Mas isto é as minhas envolvências pessoais..

Gostos são gostos e não se discutem e ainda bem que não gostamos todos de amarelo!! Úuuu!!

Gostos pessoais à parte, está brilhante!!

É delicioso ler os teus textos em primeira mão!! E pela segunda vez.. É tão bom saborear os pormenores novamente..
De Marisa a 5 de Setembro de 2006 às 12:04
Pois eu já sei que tu não eras vaca pra tanto... mas eu, enfim, tu conheces-me...
É delicioso ter-te por cá!
Beijão.
De Pintelho Marciano a 17 de Agosto de 2006 às 18:22
Ora bem...
Não quero de modo algum que a minha passagem neste blog seja motivo de suspiros saudosos, e , apesar de saber que despertarei sentimentos de ciume e inveja...cá tou eu!....
(Andáva ha que tempos para fazer uma entrada deste género...)
Cara Marisa....Adorei -mas é que adorei mêmo- aquela coisa do "Fode-me e cala-te"...
Parece que tou a vêr...
Um bom texto, daqueles de dar pau a um gajo (desculpe a minha bestialidade mas já me conhece...sabe que eu só sou sensivel nos pêlos do cu)
Fez o gajo pagar-lhe o top???
Um abraço (o da ordem) para si...
Mas é verdade...aquela do "Fode-me e cala-te"......Phoda-se...é que não me sai mesmo da cabeça....
De Marisa a 18 de Agosto de 2006 às 09:25
Pois meu caro Pintelho , deixe-me suspirar profundamente, os seus comentários são sempre verdadeiras epopeias e quero assimilar tudo o que tem para mim...
Pois que bela entrada!
Vejo que lhe agradou sobejamente o texto em sim com predominância para duas pequeninas palavras, eu diria, sugestivas, pois caro Pintelho , sou-me tremendamente bem pronunciá-las.
Fico contente que lhe 'dê pau' um texto destes, se calhar registo a patente e começo a fazer concorrência ao pau de Cabinda , ou ostras, estas últimas, sim, deliciam-me.
Quanto às suas sensibilidades, pois imaginei que andassem por aí, posso sugerir a cera como depilatório...
O meu top?
Pois com certeza, pagou na hora, ao proporcionar-me o eloquente orgasmo...
O seu abraço, os meus agradecimentos, por tão apreciada visita, espero sempre pelas suas inocentes palavras...
Então só pra si, bem no fundo do seu ouvido, perto da sua alma...
'Fode-me e cala-te'
De herculanodacosta a 23 de Agosto de 2006 às 18:48
olá!
o seu comentário sobre a delícia das ostras faz-me lembrar um amigo do norte, o beto, que costuma amandar às moçoilas um piropo bué de engraçado: - "a tua mãe é uma ostra! só pode! para deitar ao mundo uma pérola como tu...!"
encontrei o seu blóguio através do blóguio "contos secretos" e ainda bem.
vou e volto!
xi
herc
De Marisa a 24 de Agosto de 2006 às 09:23
Pois volte, que o aguardo!
Baci...
De Vasco__27 a 17 de Agosto de 2006 às 10:48
ok... somethings just never change... Stay safe, ok?... Kiss, gorgeous

Vasco
De Marisa a 17 de Agosto de 2006 às 11:39
Estava com saudades...
Algumas coisas são tão minhas que sempre o serão... eternamente.
Esta sou eu!
Baci per te ragazzo.
De marisa a 15 de Agosto de 2006 às 01:22
ja estava com saudades destes texos tao apimentados... descritos como sabes tao bem fazer.. gostei mto um beijo de uma outra marisa
De Marisa a 16 de Agosto de 2006 às 09:21
Olá Marisa!
Obrigada, eu tenho sempre mais saudades de provar... do que escrever... ahahahahahhaha.
Volta!
Baci...
De Zuco a 14 de Agosto de 2006 às 18:21
Muito melhor! Muuuuuito melhor!

Já não se tropeça, já flui. Muito bom!
De FlordeLis a 15 de Agosto de 2006 às 00:18
Pois Marisa... que mais posso dizer-te...? fizeste-me vir ( à memória ) boas recordações! ahahahahahahahah...

beijinhos.
De Marisa a 16 de Agosto de 2006 às 09:23
Espero que não tenho sido só as memórias... a virem-se...
Enjoy!
Tchin Tchin.
De Marisa a 16 de Agosto de 2006 às 09:24
E o mérito não é só meu... o que me deixa nervosa e secretamente feliz...
Que bom que gostaste Zuco, a sério!
Cappucino.

Vero?

veropiacere@sapo.pt

Agosto 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Hummmm...

Sei lá...

Ciao

(...)

Ingenuidade

Viver...

Pretensão

Quando...

Kininha

Renascer…

Hoje não…

Recordar...

Agosto 2010

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

No Ar...

Piaceres...

Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!

Entre!

pegadas